25 outubro 2006

sonhos, no plural

o curioso Leonardo criou uma central de sonhos em seu blog. e pergunta qual é meu maior sonho possível. bem, é óbvio que uma pintinha decente não tem um sonho, mas muitos. afinal, o mundo deve ser maior que este galinheiro. e claro que estes milhares de sonhos não obedecem a qualquer regra de hierarquia.

quando criança, praticamente um ovo, eu vivia fazendo listinhas do tipo “três desejos”. afinal, nunca se sabe quando vai aparecer aquele gênio pançudo. a culpa da moral cristã sempre me obrigava a colocar qualquer coisa como “paz para a humanidade” em primeiro lugar, mas já no segundo desejo eu recaía na mesquinharia. e sempre deixava uns desejos na suplência, para o caso de encontrar um gênio que não soubesse contar direito.

imaginar é a melhor parte de viver. se eu contasse quantas coisas idiotas e maravilhosas eu sonho antes de dormir, por exemplo, seria depenada e estudada por um algum cientista famoso. crio diálogos, faço roteiros, mudo os finais que não me agradam. coloco até trilha sonora. Jung adoraria.

hoje, meu sonho possível mais concreto é aprender a lidar com o tempo. os dias, as horas, as semanas. não me perder neste emaranhado de compromissos e conseguir passear no Mercado Público numa terça-feira à tarde — sem culpa por desligar o celular ou por fingir que o tempo parou.

mas também sonho me conhecer melhor. para isso vou toda semana ao melhor psiquiatra que conheço. cada vez que ele me desestabiliza, fico um pouco mais perto de mim mesma. descer nas profundezas de si mesmo pode ser um pesadelo, mas gosto do que vejo quando abro os olhos para dentro. honestamente, não gostaria de ser outra pessoa.

sonho morar em outro país por um tempo. de preferência Portugal, terra pela qual nutro um fascínio pintinhesco e emplumado. mas gostaria de conhecer Portugal, Espanha, França e Itália com o melhor parceiro de viagem. e também a China, a Rússia e a Turquia. sonho dirigir livremente pelas estradas que o mapa indicar, arriscando o pouso, a comida e o band-aid no dedinho.

sonho aprender a cozinhar. morar em uma casa e ter um cachorro brincalhão. sonho dormir até o meio-dia no domingo e não esquecer a toalha quando entro no banho. sonho abrir a geladeira e encontrar mais que queijo e coca light. não me bater nas coisas, não ter medo de insetos, não esquecer aniversários. sonho ler as mãos. sonho fotografar com foco. sonho organizar meus livros e saber que estrela é aquela. sonho entender certas coisas, juntar certos indícios, acreditar em certos talentos. sonho escrever contos e não confundir senhas. sonho não ter vergonha. sonho sentir de novo um amor profundo.

e, claro, sonho me tornar uma galinha.

9 comentários:

Leonardo disse...

Pinta, continue sonhando que um dia vai se tornar uma galinha. Toda galinha-mór acha que é pintinha e quando descobre que é galinha, já está em outra dimensão.

Quanto mais lhe conheço, mais gosto.

Grande beijo,

Leonardo, "o curioso".

Graziana disse...

Marcia também entrarei na corrente, estou a pensar nos meus tantos sonhos...
como sempre, teu texto está muito belo :)

Sean Hagen disse...

*

xuxu,
corre lá que o feijão tá pegando fogo.


*

Rosamaria disse...

pinta, quanto mais te leio, mais gosto de ler.
se comemorares seguido o aniversário (pode ser aqui comigo), logo te tornarás uma galinha.

piu, piu.

Leonardo disse...

pinta, a propósito... quem são seus convidados, fiota??

Ana disse...

Amei, Pinta!
Cada palavra!
Delícia te ler!

Adri Amaral disse...

hahaha adorei os teus sonhos, vou tentar colocar os meus na tela..bjo

Felipe disse...

Delícia de texto.
Gosto muito desse jogo de palavras que fazes com tua personagem, mas sobretudo me encanta a leveza e a naturalidade com que você o faz.

Elis disse...

Caramba, delícia de texto mesmo, hein Dona Pinta??? Poxa, temos sonhos em comum, isso é muito bacana. Adoro descobrir afinidades!
Well, só posso te desejar todas as realizações que vc busca. Todas mesmo.

Bjs