16 novembro 2006

vento ventania

o vento levantou tudo. abriu os sacos de lixo. arqueou no ar a saia lilás. encheu de areia os olhos do menino, derrubou as flores do jacarandá. entortou os arbustos, comeu pela beirada a armação de caixinhas. despenteou o cabeludo, eriçou o cachorro, desestabilizou o motoqueiro. o vento furioso explodiu o poste de luz. quebrou vidros, virou cestos, desencantou botões. pincelou sua vontade em tudo e todos. vento ventania, dono do caos, me leva pra qualquer lugar.

7 comentários:

Leonardo disse...

Vento é assim mesmo, um canalha cheio de personalidade...

Maitê disse...

e levantou meu vestido na saída do shopping... Que ventania. E nada de chuva... Abs

Sean Hagen disse...

*


biquini cavadão, é isso aí.
agora explica o que é "comer pela beirada a armação de caixinhas".
num entendi.


*


MAITÊ,
que momento marylin monroe em "o pecado mora ao lado".
pra uma fã de cinema, o píncaro da glória.



*

marcia disse...

xuxu, comer pela beirada a armação de caixinhas é... bem, levantar no ar as caixinhas da ponta, que estavam meticulosamente organizadas por algum virginiano. e que o ariano vento veio pincelar com seu sarcasmo. :)

Sean Hagen disse...

*


e precisava beliscar também?
:X


*

marcia disse...

ô-ôu. estava falando do VENTO ariano, que viu aquela arrumação e decidiu dar uma esculhambadinha. e não de UM CERTO ariano. :o

Graziana disse...

lembrei do quintana:

esses inquietos ventos andarilhos
passam e dizem:vamos caminhar,
nós conhecemos misteriosos trilhos,
bosques antigos onde é bom sonhar...

:)