16 fevereiro 2007

hcb



























sou apaixonada pelas fotos de Henri Cartier-Bresson. a geometria e a luz. o ponto exato de uma vida que veio de algum lugar e continua não se sabe para onde.

leio que uma foto dele foi vendida por 204 mil dólares. se eu fosse rica, gastaria tudo em um dia, em coisas lindas assim.

11 comentários:

ederson disse...

humm... não sei não, mas me parece absurdo uma foto custar tão caro,
ou um vestido de uma atriz ser leiloado por milhões, ou o pires de John Lennon ser vendido pelo preço de uma fábrica de louças.
tudo meio fora da realidade.

Diego disse...

Bresson é demais mesmo!

E sobre o preço das fotos, não acho que seja algo absurdo não. Primeiro porque ele PRODUZIU as fotos, diferente de alguém que somente USOU um vestido.

Mas se você não pode comprar nenhuma foto dela, ao menos pode se contentar com algum livro.
Meu favorito é o tete-a-tete! :)

Thelma disse...

Liiiiindas!!!!! Maravilhosas!!!

Ana disse...

Lindo demais!!
Talento não tem preço, não... E poder gastar dinheiro com beleza é uma questão de talento, também!

Aleksandra Pereira disse...

Adoro Bresson. O trabalho com a luz, esse cuidado com o movimento que diz com a fotografia mais do que um filme diria.

Sean Hagen disse...

*



eu acho o cara genial, tudo o que ele faz é bom.
mas a segunda foto, com aquele rasgo de luz congelando um corpo inusitado é supimpa.
e a cara do gurizinho com a garrafa de vinho, nem caricatura faria melhor.
ou o reflexo em pleno pulo em uma poça d'água.
já falei que gosto muito do trabalho dele?





*

Leonardo disse...

breathtaking...

sapollium disse...

Uma imagem vale mais...

Nove fotos. Mas nem como nove mil palavras meu comentário ficaria aceitável.

A foto do menino com o vinho não é a foto do menino com o vinho: é o orgulho desse guri. A coisa toda vai além. Nessa mesma foto, a surpresa da menina em segundo plano. O clique encerra o momento significativo.

Vou parar por aqui. Tou ficando patético. Olhar vale mais.

raquel disse...

Meu pai é fotógrafo e professor de foto. Quando estive em Paris, comprei uma pilha de livros sobre a obra do HCB pra ele, que adora. Mas ainda acho que gosto mais da Margareth Bourke-White. Bem, enfim, livros sobre HCB tem aos milhões em Paris, podia ter te trazido um. :D

TARCIO VIU ASSIM disse...

A gente não consegue explicar facilmente o que é arte, mas sabe o que não é arte. A maioria das fotos não é.
-
Todas as de HCB são.
-
O homem elevou a fotografia ao status de arte e não foi somente por causa do rigor da composição, do enquadramento exato, dos contrastes equlibrados, da compreensão do correto momento de captar a foto. Tem algo mais... e tem essa natureza presente apenas nos gênios, que nos coloca no nosso devido lugar, limitados.
-
;-P

Rosamaria disse...

supimpa, pinta!!!