17 agosto 2008

Iberê

finalmente fui conhecer o Museu Iberê Camargo. era um final de tarde ensolarado, e a luz que invade o museu é parte significativa da fruição. o prédio fala no seu ouvido. você realmente está em um espaço, não apenas as obras.

descer os corredores é pura sinestesia, com as paredes se estreitando e se alargando ao longo do caminho. as janelinhas, de onde o Guaíba surge em sua calmaria, são pontos de observação do mundo que corre lá fora, quase sem domínio.

sempre gostei da arte perturbada de Iberê, fechada em suas poucas cores e de traço desconcertante. a fantasmagoria é o que temos de humano, o tormento que nos move ou paralisa. instante captado por uma espécie de radiografia que exibe aquela alma, as muitas almas ou uma alma só – quem poderia dizer?

o prédio de Siza é uma escultura branca rebatida pelo sol, pela luz e pelo vento. não é preciso tocar para sentir a textura. não é preciso saber para compreender.

no entanto, o museu é para poucos. de longe pode ser observado, mas entrar nele é para quem pode. o entorno não facilita a vida de quem não tem carro. quem tem carro, paga 7 reais por 90 minutos em um reduzido estacionamento. a sinalização do prédio é pós-moderna, enigmática e intimidadora. os elevadores são baixinhos. o elevador para cadeirantes que vai do estacionamento ao térreo joga a pessoa na rua, sem proteção contra a chuva. para completar, o Press Café é caro e ruim. tomamos uma coca e um cappuccino, comemos um sanduíche (frio, duro, ruim, em que a mostarda Dijon não deixou nem lembrança) e uma palha italiana minúscula, e por estas coisinhas pagamos 30 reais. valeu pelo pôr-do-sol, que estava belíssimo. mas o sol ainda se põe gratuitamente, e ainda é tão belo quanto a obra de Siza.

3 comentários:

Ederson Nunes disse...

putz, preciso ir neste museu. de ônibus. ai, ai...

Graziana disse...

nao fui ainda, moro relativamente perto, mas terei de ir de onibus, atravessar naquela avenida me parece assustador...hehehehe
o pôr do sol ali deve ser muito lindo, de qualquer parte da beira do guaíba é maravilhoso, aliás, faz tempo que não o vejo por aqui, pura preguiça...beijinhos

Maroto disse...

agora vai lá e pede 10% do valor do ingresso - só no meu ninho vendeste 3