07 agosto 2008

segredinho

de vez em quando eu recebo umas cortesias de editoras. uma delas veio numa caixinha misteriosa. ao abrir a tal caixinha, meus olhos de pinta saltaram, foram à esquina e graças a deus voltaram (é sempre bom ter olhos com molinhas). primeiro, eles saltaram de horror. depois, de indignação. afinal, alguém mandou aquilo pra mim. alguém achou que eu gostaria de ler aquele, hum, gênero literário, digamos assim. mas depois passei a me divertir.

estou falando do livro “O Segredo”. deixei o livrinho dormindo na prateleira. como faço algumas segregações literárias, deixei na prateleira de “outros etc.”. nos últimos dias, achei que seria legal viver esta experiência estética. sim, preciso reconhecer: foi uma experiência inigualável. primeiro, porque eu não consegui ler o, hum, livro todo. a bílis revolta não deixou. segundo, porque a mistura de filosofia barata, marketing de baixo nível e estilo de quinta transforma a leitura num martírio. terceiro, porque a todo momento eu era tomada por dúvidas existenciais: o que diabos as pessoas estão buscando aqui? e o que diabos elas encontram aqui, já que só no Brasil o livrinho está na nona edição? assim, tipo uma coisa transcendental, quando você sai do corpo e olha a humanidade, como num vôo, e não entende porra nenhuma.

Rhonda Byrne, a “escritora”, é gênio e eu a invejo. ela descobriu o segredo de como se tornar milionária. ou bilionária. ou quaquilionária. Rhonda é o Tio Patinhas da literatura de auto-ajuda. se ela nos inspirar, vamos sair publicando frases de efeito em fundo medieval, com figurinhas de simbolismo duvidoso. além disso, vamos publicar falas dos outros, pois é isso que Rhonda faz o tempo todo. adorei. fica bem fácil. até me imagino bebendo dry martini numa ilha paradisíaca, enquanto alimento almas pelo mundo todo com minha sabedoria.

mas chega de falatório. é claro que a, hum, obra de Rhonda fala por si mesma, embora eu não resista a uns comentários. vamos a uns trechinhos. utilizei a metodologia de seleção pintinhesca que mistura o aleatório com o potencial de patifaria.

“Toda ação deve ser precedida de um pensamento. Os pensamentos criam as palavras que falamos, nossos sentimentos e ações. As ações são particularmente poderosas, porque são pensamentos que nos levaram a agir.” – hum. tá. assim. vou falar devagar. a ação não deve ser precedida de um pensamento, ela é precedida de um pensamento (ou dois etc.). o resto eu não entendi direito. quer dizer que os pensamentos criam os sentimentos? e as ações são pensamentos? desculpe, Rhonda, não estou conseguindo pensar agora.

“Para alguns, sem dúvida, a idéia de dar tanto amor a si mesmo parecerá muito fria, dura e nada misericordiosa. Mas isso pode ser visto sob uma ótica diferente quando descobrimos que ‘procurar o Número Um’ conforme o comandado pelo Infinito é, na verdade, procurar pelo Número Dois, sendo, na verdade, a única forma de beneficiar permanentemente o Número Dois.” (Prentice Mulford) – credo. sem dúvida, muito confuso. na verdade, preciso ler várias vezes para saber quem está procurando quem e quem beneficia quem. minha inteligência não alcança isso tudo, gente. sem contar que Número Um e Número Dois, no meu tempo, era outra coisa.

Sem que você se torne pleno, não terá nada a dar a alguém. Portanto, é imperativo que você primeiramente cuide de Si. Primeiramente, garanta sua satisfação. As pessoas são responsáveis por sua própria satisfação.” – impressão minha, ou isto é uma ode à masturbação?

“Quando se tem prazer não é preciso sequer pensar em dar. É um fluxo natural.” – opa. epa. opa. assim. eu tinha entendido que toda ação é precedida de um pensamento. então, antes de dar é preciso pensar em dar, certo? entendi errado? esclareçam-me, sábias criaturas do Infinito.

“Há algo maravilhoso em você. Eu tenho me estudado há 44 anos. E algumas vezes gostaria de me beijar!” (Bob Proctor) – olha, Bob Proctor, eu acho bom você se beijar, porque se depender de mim, Bob Proctor, na verdade, Bob Proctor, você morre à míngua.

“A única razão pela qual uma pessoa não tem dinheiro suficiente é estar impedindo com seus pensamentos que o dinheiro chegue a ela.” – ah, eu concordo. inclusive vou parar o cara que sempre pede dinheiro na minha esquina e gritar: “sabe por que você está aí, pedindo dinheiro como se fosse um pobretão? porque você só pensa em mixaria!! pense positivo, cara!!! na verdade, é tudo culpa sua!!!”. aposto que ele vai me agradecer muito.

“Um jogo que eu inventei e me ajudou a mudar minhas sensações sobre minha pilha de contas foi fingir que as contas na verdade eram cheques. Eu pulava de alegria quando as abria, dizendo: ‘Mais dinheiro para mim! Obrigado. Obrigado’.” – Rhonda, assim. respira. agora diz pra pintinha: você está bem?

“Quando vir o carro dos seus sonhos, diga ‘Eu dou conta’. Ao ver roupas que adora, diga ‘Eu dou conta’.” – eu dou conta. eu dou conta. eu dou conta. hum. será que o Benicio Del Toro vai demorar pra chegar? eu dou conta, Benicio, pode vir.

o site está aqui. dá até pra imprimir um cheque e colocar seu nome nele. e dá pra comprar coisinhas, claro. é o segredo.

10 comentários:

mariaritinha disse...

nossa, como eu ri disso tudo! deu até cãimbra na barriga, hehe

Reges Schwaab disse...

pois é. na verdade, para entender alguns autores é bom ir primeiro pelas beiradas, ler quem fala deles.

quem sabe começar por "O segredo por Ana Maria Braga".

aí eu acho que já explica mais, é uma entrada na obra principal,sabe?

clarissa disse...

eu não entendo o motivo pelo qual, de tempos em tempos, a gente se tortura com uma coisa assim. deve ser pra bater com o livro na cabeça e pensar "por que não consigo ser uma picareta? por quê?"

venuss disse...

eu ia te pedir emprestado, mas acho que não dou conta de entender.

Tattiana disse...

Assim...eu tenho de procurar o número um para achar o número dois e quando eu quiser achar o dois eu faço o quê ? Aliás, quem é o dois ? quem é o 1 ? e o 3 (coitado do 3 !), cadê o 3 ? Não tem cota para o 3 ? sacanagem ! E os chineses celebrando o 8. Coitados....
Beijos, Pinta !!!

Penkala disse...

fora o clichê de que auto ajuda significa que o, hum, escritor é que se auto ajuda a enriquecer... tenho meia dúzia de coisas a considerar sobre esse livro:

1) bláaaagh (vomitei)
2) nem precisei ler pra BLAAG (vomitei de novo)
3) admiro tua força de vontade. eu não consegui nem abrir porque eu blaaaaaaagh (vomitei as tripas, agora)
4) logo, logo rhonda será a maior intelectual publicada no brasil. se já não é. afinal, nada como entender a alma do povo dizendo que contas podem virar cheques se a sua imaginação quiser (já imagino a voz da xuxa narrando esse livro em áudio, no mesmo tom em que ela nos mandava comer iogurte e frutas quando éramos pequenos)
5) bláaaaaagh. vomitei o iogurte. e com pedacinhos de fruta
6) eu também dou conta do benício, hein? só que eu sou ciumenta, pinta. nossos pensamentos vão se estapear agora, hein?

Penkala disse...

esqueci de te dar a dica: vende num sebo. se ele tiver bem novinho, tu deve tirar uma grana PRETA. aí sai na rua e dá o dinheiro pro cara que te pedir, depois de dar aquele sermão. não fica com o livro que pode pegar mal. e nem com a grana, que dinheiro sujo por sujo, melhor virar trafi de crack mesmo, já que o negócio é explodir o cabeção dos outros...

Sandra Bordini Mazzocato disse...

Vocês não entendem nada mesmo! É tudo sobre o número 1 e o número 2. Vocês já viram alguém com prisão de ventre ou diarréia de bom humor?? Disposto a buscar seus objetivos e ser bem sucedido na vida? E a xuxa tava muito certa mandando a gente comer fruta, pois a fruta proporciona o bom funcionamento do intestino!!

É triste ver intelectuais de gabarito serem criticados por pessoas de mente estreita!!!

=P

Ane disse...

Marcia... saudades de você. Fazia tempo que não passava no seu blog e, sem saber, você fez uma imensa boa ação: rí até não poder mais com seus comentários sobre o livro. estava precisando: sabe quando você está se sentindo tristinha, tristinha de dar dó? Pois é... Um super abraço pra vc.

Marcelo disse...

Olá Márcia,

Não conhecia seu blog, mas achei simplesmente hilário! Essa do Segredinho é realmente muito boa. Você sem dúvida tem talento (e provavelmente sabe disso).

Sobre a auto-ajuda, melhor ainda do que os livros (bem, não sei se melhor...) são as palestras. Sempre acho que as pessoas ficarão constrangidas, mas que nada, um número grande sempre compra o livro do palestrante no final.

Eu estou aqui: http://blog.oquederevier.com/

Abraços,

Marcelo