27 novembro 2008

credo

oh god. oh god. oh god. vejam isto. roubado do Sedentário e Hiperativo.

8 comentários:

sylvia moretzsohn disse...

Sinceramente? Eu acho que nós estamos perdendo os limites do pudor. Acho lamentável que cenas como essa fiquem circulando por aí. As pessoas mereciam um pouco mais de respeito.
Mas isso tem a ver com ética, e ética é o que mais falta nesses tempos de visibilidade total. Por isso me preocupa tanto a disseminação da tecnologia digital: sem ética, a tendência é transformar o mundo num grande freak show.

Caco disse...

Putz, eu ia colocar vários "hahahaha" aqui no comentário mas me senti intimidado pelo comentário da pessoa acima.
Vou ali num cantinho morrer de rir com as duas ou três pessoas politicamente incorretas que restaram no mundo.
bjs

sylvia moretzsohn disse...

Pois é. Eu imaginava que o comentário fosse interpretado assim, como exemplo de politicamente correto. E isso é tudo o que eu não sou. Quem me conhece sabe que eu sou o contrário disso. Apenas acho que é preciso discernir entre o bom humor e o cultivo ao riso (e à auto-ironia) e a exploração do ridículo alheio. Duvido muito que algum de nós achasse engraçado se estivéssemos naquela situação. Por isso falo em ética. E ética não é coisa de monges, é (ou devia ser) fundamental para a vida de todos nós.

Marcia disse...

não entendi, Sylvia.
vc está dizendo que eu não fui ética?

sylvia moretzsohn disse...

Não disse isso, Márcia. Disse que estamos vivendo um tempo em que tudo parece possível com a tecnologia digital ao alcance da mão. Então fica muito fácil filmar e divulgar o que quer que seja, sobretudo porque há muitos apelos nesse sentido. Uma cena como essa, que flagra uma pessoa em situação constrangedora, não deveria estar disponível no You Tube. Por isso falei em ética: porque quem filmou deveria ter capacidade de discernir entre o que é engraçado e o que pode ser simplesmente humilhante. Mas, uma vez que um vídeo (ou uma informação, qualquer coisa) cai na rede, o estrago está feito.
Isso me preocupa demais, há muito tempo: essa questão dos limites. E eu sei que é uma preocupação sua também, como você já demonstrou tantas vezes.

Marcia disse...

certo, concordo em parte.
mas era apenas um link para rir da desgraça humana. :(
não a verdadeira desgraça de perder a casa ou alguém, mas a pequena desgracinha de ser humano.

pen*ka*la disse...

morri de pena da guria, mas vamos nos combinar: desde o início da entrevista ela estava com aquele desconforto (notem a criatura inquieta e a mão na barriga o tempo todo), por que não foi no banheiro antes?

além disso, lady murphy, hein? logo naquela situação a criatura me inventa de vestir uma calça branca...

Arnaldo disse...

Acho que esse negócio não tem nada a ver com ética. Pode ter a ver com bom gosto, mas com ética não.