30 março 2009

lua

a lua está linda. só um fiozinho, e baixando no céu. vai bater no prédio, vai bater. bateu. fiquei parada ali, esquecida da madrugada insone e do dia difícil, olhando pra ela. e ela iluminando, daquele jeito rasinho e gentil. a gente acha que a lua se enche e esvazia, neste ciclo sem fim, pra iluminar a noite. será?

se fosse tão simples, a lua não teria este poder mágico de nos fazer submergir. afundar em nossas próprias águas, sentir de modo tão intenso. se fosse tão simples, ela não deixaria este rastro metafísico, este pensar existencial, esta melancolia que aciona palavras esquisitas como destino, saudade, incerteza.

se fosse assim tão simples, ela estaria apenas lá, iluminando a noite, com seu amarelo fininho. e não estaria iluminando dentro, este breu particular, recortada com estilete.

6 comentários:

Glayne . disse...

E quem não é apaixonado pela Lua, com toda sua magia q invade o ser?!

Ana disse...

Pintinha enluarada é melhor que Pintinha aluada!

Mariana Mesquita disse...

Meu filhote aaama. È a palavra que ele mais fala. Vai ser astronauta ou seresteiro quando crescer. Ou, quem sabe, taxista - além de "ua", o vocabulário mais frequente inclui "tátsi" e "cár". Beijos

Reges Schwaab disse...

sorte nossa não ser tão simples

ela provoca e isso tem lá seu valor. se tem...

João Paulo Rabelo disse...

Quando a Lua apareceu...

Marcelo disse...

A lua é poesia, como esse belo texto.

Em uma noite insone, depois de um dia difícil, em vez de escrever sobre ela, fotografei.

http://blog.oquederevier.com/2009/03/15/a-lua-em-quatro-fases/

Marcelo