13 abril 2009

resiliência

em um final de tarde, dirigindo da Ipiranga para a Bento Martins, uma moça agitada sentada no banco do carona me disse uma daquelas frases. daquelas, sabe. que ficam. martelam, perturbam. deixam um residual longo. se estendem na mente, fazem sentido depois.

"se existe uma palavra para me definir, esta palavra é resiliência." foi o que ela disse, com uma convicção que me pegou de soco.

resiliência é esta capacidade de ser amassado, riscado, perfurado, picotado, desmembrado. e então voltar à forma original. obviamente, original não significa um ponto zero. a cada arranhão, um novo ser humano se organiza sobre os mesmos ossos. resiliente é aquele que recupera a força, sendo a força, exatamente, a forma original de uma existência única.

admiro esta capacidade de ir em frente. gotejando o que seja pelos ferimentos, mas ir. admiro quem suporta sim, levanta de novo sim, vai em frente sim. meio esfarrapado, um pouco atordoado, que importa? o resiliente sabe que, por um tempo, vai andar pelo mundo como um bêbado que perdeu a chave. este talento para transformar uma experiência em conhecimento torna uma pessoa admirável. pelo menos para mim.

6 comentários:

cristiano batistella disse...

admiro a capacidade de quem já sabia o que é resiliência.
muito prazer, cristiano.

Graziana disse...

palavrinha dificil hein...mais uma pro meu dicionário ;)
bjinhos

Ederson disse...

tem até o livro "Quando e como promover a resiliência".

Marcelo Carvalho disse...

Márcia,

Belo texto. Lembrei agora de duas coisas recentes. A Marília Gabriela, entrevistando o Ronaldo, a certa altura perguntou do que ele se arrepende. Bom, pelo menos do episódio dos travestis ele deveria se arrepender...rs. Ele parou, pensou, e disse algo assim: "Cometi erros, mas não me arrependo. Se não fosse pelos erros, eu não teria aprendido. Tudo tem o seu porquê". Taí um cara resiliente, como a própria carreira dele mostra.

A outra lembrança sobre resiliência é de um poeta chinês, em uma placa que vi no Jardim Botânico de Melbourne:

http://blog.oquederevier.com/2009/03/02/filosofia-chinesa-%e2%80%93-o-simbolismo-atraves-das-plantas/

Abs,

Marcelo

Sean Hagen disse...

*



aos resilientes restam os dentes
e quando nem esses sobram
acumulam-se rapaduras no armário




*

EDUARDO SEQUEIRA disse...

Cara Márcia:

A resilência, como você a glosou é uma atitude deplorável quando, como a esperança, se define por uma oposição neutra ou " inqualificável ". Hitler foi resilente e Mandela também. Há uma diferença que o obstáculo qualifica, ou não?

Um abraço!