20 novembro 2010

tempo

o tempo é um bicho estranho. antes me parecia fluido, vaporoso. agora me parece espesso, caudaloso. tantas coisas acontecendo em intervalos tão curtos, tantos sentimentos concentrados em horas, em um tantinho de dias. 

o tempo externo atropela e exige. o tempo interno se arrasta e tropeça. passado e presente se tornam, na mente, uma única plataforma regida pelo caos. você vive tanto, sente tanto, e com tamanha intensidade, que repetir é impensável. não caberia mais nada assim dentro do seu tempo. 

passado e presente se superpõem, velhas experiências se refazem como novas e então: acabam. o tempo parece aquela antiga loja de tecidos, com seus tubos empilhados, de cores e texturas misturadas, uma memória onde você nunca encontra exatamente o que procura. puxar um novo tecido pela pontinha é um risco de espessuras que talvez não se possa suportar. 


o tempo é este bicho estranho. "basta um instante e você tem amor bastante", diz Leminski.

 

3 comentários:

Fred disse...

isso é o que eu chamo de "voltar com estilo". bj

Dalys disse...

Estoy de acuerdo con Fred, volviste con estilo. Me alegra que hayas vuelto, estaba con "saudade".

Nina disse...

Putz, que texto! Bom demais, verdadeiro demais.

Leve, denso, universal, como toda boa literatura.

Parabéns!

Bjo