27 agosto 2008

Veja, a complexada

Veja é uma revista complexada. não quer fazer jornalismo, quer decidir os rumos da nação. talvez, quem sabe, ocupar uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU? não o Brasil, mas a revista Veja, a editora Abril, os Civita. afinal, a revista sabe exatamente o que deve ser feito para que o Brasil alcance um patamar de civilidade digno do século 21. de unha encravada ao sistema educacional brasileiro, todas as respostas estão em Veja. é um manualzão de como deveríamos ser, se fôssemos civilizados.

Veja só não é uma revista perfeitamente ridícula porque a perfeição não existe. mas é sua meta, e eu tenho fé que ela em breve seja perfeitamente ridícula, perfeitamente patética e perfeitamente dispensável. para ela, o ensino brasileiro é marxista-leninista. os professores são idiotas que repetem Marx (onde, gente?) sem nunca terem compreendido o “velho barbudo” que teve um furúnculo. isso é que é contextualizar um autor, hã?

a revista critica os professores por supostamente não lerem grandes obras e apenas repetirem chavões. e, para justificar o que diz, utiliza um excerto de Hannah Arendt. sim, da grande Hannah Arendt, que por razões evidentes não foi compreendida por quem produz Veja.

tudo isso seria anedótico (para usar uma expressão da revista), se Veja não tivesse definido Paulo Freire como um educador “sem contribuição efetiva à civilização ocidental” e “autor de um método de doutrinação esquerdista disfarçado de alfabetização”. observação perfeitamente estúpida, para dizer o mínimo.

mas numa coisa eu preciso concordar com a revistinha: só mesmo a má qualidade do ensino pode explicar que Veja tenha mais de 1 milhão de assinantes. se estivéssemos na Finlândia, como sugere Veja, certamente as pessoas cancelariam a assinatura.

p.s.: a Penka também comentou.

8 comentários:

Penkala disse...

tou louca pra ter nas mãos aquela Veja cuja capa é o MAO cozolho aberto à força e a manchete que fala em ABERTURA DA CHINA.

aliás, nem vi, mas deve ser a mesma donde saiu esse primor de matéria que estamos comentando...

mas jura que vou pagar, né? pela Veja? nah!

(a Veja não é só complexada. ela também tem furunculose no orifício anal. deve ser difícil ser a Veja)

raquel disse...

Eu via a capa. E imaginei o conteúdo. Logo, passei reto. Não tem coisa que me deixe mais enfurecida que a Veja. Sério.

Maroto disse...

o Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS mandou um email aos sócios (e outros destinatários menos nobres, claro) em repúdio a essa matéria, que parece que inclusive cita enviesadamente uma entrevista com um professor gaúcho. Vi a capa no supermercado (geeeente, que capa ridícula!) e cheguei a pegar, mas como diria a sábia Penka, pagar Veja é o cúmulo. Pagar Veja pra ler o que ela fala mal de mim, então, nem pensar.
Só me resta agradecer à dileta amiga Pinta por ter me passado adiante essa de que Marx tinha furúnculo. Logo eu, que penso que sei até a diferença entre um marxista e um marxiano, não sabia do furúnculo. Dado que sou professora, temos que a Veja tem razão. CQD.

Ana Luisa disse...

Nunca pensei que eu fosse capaz de achar uma revista tão ridícula. E depois as pessoas vêm me dizer que eu ainda não tenho maturidade pra dar opinião. Se ele podem escrever essa besteira eu posso muito do bem dar a minha opinião.

Maroto disse...

ANA LUISA, metendo meu bedelho, como assim te dizem que não tens maturidade para dar opinião? Se fosse o caso de não teres conhecimento especializado o suficiente para dar um parecer técnico, vá lá, mas opinião? Viva a liberdade de expressão!

mariaritinha disse...

nossa. depois do post, procurei a edição na internet para ler. que grande lixo. é só o que dá para dizer. e ainda chamam, lá pelas tantas, de reportagem. por favor!
detalhe para aqueles comentários sobre os livros. aliás, quem são mesmo aquelas pessoas usadas como fonte de consulta?

Matheus disse...

É flash back, esse blog ta bastante desatualizado ou eu tenho a impressão de que esse tema já foi abordado da mesma maneira por Veja ha cerca de um ano...

Eduardo disse...

Sou professor há 5 anos e já vi muita merd* na educação. Acho a Veja uma piada (sim, isso é um eufemismo), mas critico muito os rumos tomados pelos "mandadores" do nosso sistema de ensino, a começar pela formação dos professores e pela (má) adoção de certas correntes pedagógicas ditas progressistas... Não dá para seguir Paulo Freire ao pé-da-letra. A sociedade mudou muito. A Pedagogia da Autonomia ou do Oprimido "puras" são inaplicáveis em adolescentes no atual contexto. PAra mim, o maior golpe sofrido pela Educação brasileira foi quando os "progressistas", movidos talvez por ranço ideológico, associaram as idéias de ensino tradicional e autoritarismo de direita, demonizando qualquer prática do sistema antigo, que funcionava. Hoje, vemos o resultado... Sei (pois convivo com isso todos os dias) que 80% dos alunos que saem das escolas com certificado de Ensino Fundamental completo na mão são na verdade analfabetos funcionais, incapazes de compreender um trexto simples ou de escrever com um mínimo de inteligibilidade.