08 outubro 2008

impressões

assisti ontem ao debate entre Barack Obama e John McCain, pela GloboNews. a tradução simultânea melhorou muito. McCain tem auto-controle, mas demonstra estar sempre a um passo de explodir. ele se contém, mas deixa a impressão de que gostaria de resolver tudo numa queda-de-braço, e rapidamente. ele quer mesmo é chegar logo à Casa Branca e trabalhar do seu jeito. imprime a sua fala um certo tom de desprezo por Obama e pelo próprio debate.

Obama fala pausadamente e se move de modo mais natural. não se exalta, mesmo quando agredido, e parece estar gostando de debater. não tem medo do oponente, mas não o subestima. evidentemente está numa posição muito mais confortável, pois pode atacar os oito anos de Bush sem perdão.

a blogosfera está comentando o “aquele lá” que McCain usou para se referir a Obama. duas coisas me chamaram a atenção no debate. o “aquele lá”, que foi deselegante e sintomático, e a frase de McCain quando tentava caracterizar Obama como um inexperiente: “não há tempo para aprender no cargo, meu amigo”. são detalhes, mas o diabo mora nos detalhes. chamar o candidato democrata de “that one” e o sarcasmo do “my friend” apenas revelam o quanto McCain está irritado. e, se ele está irritado, é porque sabe que o outro é mais forte.

nunca acompanhei as eleições norte-americanas. mas, claro, nunca houve eleições como as deste ano. desde as prévias democratas, é uma sucessão de emoções e estereótipos muito interessantes. é impressionante, também, ver o residual dos Kennedy no imaginário deste país. o apoio dos Kennedy a Obama foi decisivo. no fundo, todo mundo quer acreditar em um herói. e parece que a era John Wayne está acabando.

3 comentários:

pen*ka*la disse...

O véi já foi presidente? porque pra mim, se ele tá chamando o Obama de inexperiente, ou ele foi presidente (e ninguém ficou sabendo) ou ele é, também, inexperiente. ser presidente dos EUA não se aprende sendo senador. (que o diga, aliás, Bush, que nem em 8 anos como presidente aprendeu a ser um. aliás, antes deveria ter aprendido a ser gente...)

mas os Kennedy apoiando o Obama, essa foi sensacional. dois Kennedy morreram mártires, heróis, e ficaram na história pelo que "podiam ter feito". usando tua referência, é como eleger o amigo do James Dean em detrimento do bronco Wayne...

Rafaela disse...

esse blog está muito abandonado...relapsa??? auhuahuahuah

alexandreaugusti disse...

Pobre Obama. Não bastasse a péssima rima que o nome sugere, ainda tem uma tarefa pior do que derrubar o penteado de Sarah Palin: derrubar McCain